VISITANTES

free web counter

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

PONTE DE LIGAÇÃO VITÓRIA-CARIACICA - REALIDADE OU UTOPIA!

Quarta Ponte: Obra pronta em três anos
Edital do projeto da via entre Vitória e Cariacica sai em agosto
29/07/2011 - A Gazeta - Maurílio Mendonça - mgomes@redegazeta.com.br

A Quarta Ponte, que vai ligar Vitória a Cariacica, ficará pronta até o final de 2014. A via será construída sobre a Baía de Vitória, entre a Rodovia Serafim Derenzi, na Capital, e as rodovias do Contorno e José Sette. O governo não se sabe informar o custo e o tamanho da ponte.

Esses e outros detalhes serão definidos no projeto executivo. O Estado promete contratar logo a empresa responsável por esse trabalho, lançando o edital no próximo mês.

"O projeto fica pronto no primeiro semestre de 2012. Depois buscaremos verba para executar a obra. A ponte deve ser construída num prazo de aproximadamente dois anos", diz o secretário estadual de Transportes e Obras Públicas, Fábio Damasceno.

A agilidade é possível graças ao traçado e à altura da ponte. "Ela será mais baixa porque não passam, por ali, grandes embarcações. Além disso, pode ser feita com pré-moldados", explica o secretário.

A ligação nem era um dos projetos prioritários do governo, mas ficará pronta com as duplicações das rodovias Serafim Derenzi e José Sette - obras incluídas no projeto de corredores exclusivos para os ônibus (BRT), do governo do Estado.

"Os estudos feitos para definir o traçado e as necessidades do BRT apontaram urgência na construção da quarta ligação", diz Fábio Damasceno.

Detalhes
A ponte terá dois sentidos: um em direção a Cariacica, com um eixo da ponte indo em direção à Rodovia José Sette e ao Terminal de Itacibá; e o outro seguindo para a Rodovia do Contorno. "Teremos uma nova circulação entre Cariacica, Vitória e Serra", frisa o secretário. A ligação terá mão dupla, três faixas por sentido, sendo uma para ônibus.

O Estado ainda vai buscar verba para a obra. Hoje, espera conseguir R$ 600 milhões para a execução da primeira etapa do BRT. Mas a nova ponte, assim como as rodovias que ela liga, não está entre as vias beneficiadas.

Mais duas obras devem ajudar a melhorar trânsito na Segunda Ponte
A expectativa do governo do Estado é concluir outras duas grandes obras, na Grande Vitória, até o final de 2014, quando termina a atual administração. Assim como a Quarta Ponte, essas intervenções ajudarão a distribuir o trânsito que sobrecarrega a Segunda Ponte e o Centro de Vitória.

Serão entregues as obras da Vala América, ligando Cariacica até Vila Velha; e o Portal Sul, um novo sistema viário de acesso à Vitória, pelo Centro, no entorno da Rodoviária da Capital.

Os projetos executivos ainda serão feitos. A intenção é começar as obras até o final de 2012, para serem executadas em dois anos. "Vamos interferir onde há mais gargalo no trânsito. Hoje, eles estão no fluxo entre Cariacica, Vila Velha e Vitória", explica o secretário estadual de Transportes e de Obras Públicas, Fábio Damasceno.

Valão
Uma das obras cobre o valão de Jardim América, amplia a rua do local e inclui um viaduto de 600 metros, no final da via, que termina na Rodovia Carlos Lindenberg, em Vila Velha. O trecho passa por cima da linha férrea. "O local está sobrecarregado", comenta o secretário.

Sobre o Portal Sul - projeto da Prefeitura de Vitória que o Estado assumiu - ainda serão definidas mudanças. As obras devem ajudar a reduzir congestionamentos e a melhor distribuir o trânsito.

"Esta nova ligação é necessária. Por isso, é uma prioridade do governo. Vamos interferir onde há gargalo" (Fábio Damasceno. Secretário Estadual de Obras Públicas)
 
 

Outros projetos:
Túnel - Vila Velha a Vitória: projeto executivo será contratado em agosto para execução em um ano. A obra será feita por meio de Parceria Público Privado (PPP) ou concessão. Não há prazo definido para entrega. 

Mestre Álvaro - Nova BR 101: O projeto executivo fica pronto em agosto. Cria novo traçado da Rodovia do Contorno, por trás do Mestre Álvaro.

Aquaviário - Alternativa no mar:  A empresa começou os estudos, com conclusão em 2012. Ligará o Parque da Prainha à Praça do Papa, via Baía de Vitória.
]
Canal Bigossi - Mais um corredor: A licitação para executar a 2ª etapa foi lançada. O Estado quer contratar o projeto executivo da 3ª etapa ainda neste ano.

Avenida Carioca - Fim do canal: O projeto para cobrir o canal e aumentar a pista deve ser contratado nos próximos meses.

Terceira Ponte - Ampliação: Uma firma estrangeira estuda aumento da pista (de duas para três faixas) e troca da Praça do Pedágio para Vila Velha.

Saída Sul - Vila Velha: Unindo a Vala Bigossi a Itaparica, cria nova via pelo Canal da Capixaba. Vila Velha começou a obra, e o Estado deve concluir projeto em 2013

As propostas dos prefeitos para aliviar o trânsito

Lideranças da Região Metropolitana participaram do Ciclo de Debates dos 15 anos da Rádio CBN Vitória
Rondinelli Tomazelli --rsuave@redegazeta.com.br

Das finanças à Saúde, passando por Educação, infraestrutura e serviços, os prefeitos da Grande Vitória apresentaram ontem propostas para o desenvolvimento da Região Metropolitana. Para melhorar os gargalos da mobilidade urbana, as mudanças no trânsito sugeridas não apresentam consensos absolutos entre os gestores. Elas incluem a quarta ponte ligando Vitória a Cariacica, a descentralização econômica para Vila Velha, a obra do contorno do Mestre Álvaro na Serra e os corredores exclusivos para ônibus.

As lideranças participaram do Ciclo de Debates dos 15 anos da Rádio CBN Vitória, no auditório da Rede Gazeta. "Minha proposta é prioritariamente a construção da quarta ponte, que pode transformar a BR 262 em uma via de oportunidades em Cariacica e tornar opcional o uso da Segunda Ponte, que engarrafa também o Centro de Vitória", defendeu o prefeito de Cariacica, Helder Salomão (PT).

Mas o prefeito de Vitória, João Coser (PT) não encampou a proposta e foi vago ao abordar soluções, como um importante novo acesso a Vila Velha. Proposta de sua campanha em 2008, o metrô de superfície não foi tema unificado no Estado, condicionante do investimento federal na obra, disse Coser. O prefeito citou o projeto de corredores exclusivos para ônibus nessas cidades, que deve ter projeto básico concluído até dezembro, e admitiu dificuldade de mudar modais. "Há uma força danada das empresas de ônibus".

Enquanto regiões ao Norte de Vitória concentram 65% do PIB estadual, cidades ao sul têm problemas de esgoto, falta de hospitais e concentração de presídios, criticou o prefeito Neucimar Fraga (PR). "Estamos fazendo o dever de casa, mas Vila Velha não está contemplada na descentralização. A alternativa é levar instituições, inclusive públicas, para lá e também evitar o grande fluxo de pessoas que moram lá e trabalham fora". Ele ressalta que investe em ciclovias.

Cortada em 40 km pela BR 101, a Serra pleiteia o novo contorno do Mestre Álvaro para desviar o trânsito pesado e abrir caminho às vias exclusivas de ônibus. "Temos 600 mil automóveis e não sei se túnel e quarta ponte resolvem o trânsito", disse o prefeito Sérgio Vidigal (PDT). 

O que foi sugerido

Obras.
Helder defendeu a quarta ponte para desafogar o Centro de Vitória e a Segunda Ponte, deslocando o trânsito para a Avenida Serafim Derenzi e BR 101. Quer fortalecimento do Conselho Metropolitano de Desenvolvimento da Grande Vitória (Comdevit), vinculado à Secretaria de Gestão do Governo, para viabilizar recursos e carteira de projetos para obras.

Parceria.

Coser sugere consórcios públicos entre as cidades para Saúde e tratamento de resíduos. Neucimar quer pasta estadual de desenvolvimento econômico nas ações de mobilidade urbana e defende o superporto em Vila Velha.
Social.
Vidigal pleiteia a descentralização de investimento social. Reitera consórcios e quer agência metropolitana para serviços como táxi e limpeza. Quer prefeituras participando das decisões das concessionárias. 

Coser consegue reduzir dívida para R$ 13 milhões
As dívidas da prefeitura de Vitória, estimadas oficialmente em R$ 35 milhões, foram quitadas em 65%, percentual que equivale a cerca de R$ 22 milhões pagos até agora aos credores, confirmou ontem o prefeito João Coser (PT), após o debate da CBN. Segundo o petista, que evitou dar prazos, o total pendente está sob controle e a gestão trabalha para quitá-lo.

"Pagamos 65% e estamos nos esforçando para zerar o que falta. O total pago resultou de contenção de gastos e de esforço de arrecadação do IPTU, imposto em parte aplicado para saldar os cerca de R$ 22 milhões", ressaltou o prefeito, que enfrentou desgaste por conta do débito - reduzido para R$ 26 milhões recentemente. Prefeitura mais rica do Estado, Vitória tem histórico de gestões com equilíbrio financeiro.

O restante da dívida será acertado conforme os valores gerados na contenção de despesas. A gestão cortou de diárias a cursos para servidores e "congelou" R$ 83 milhões do orçamento. Segundo Coser, o cronograma de investimentos vai continuar com a política atual de não executar novas obras, só dando continuidade às intervenções em andamento. "Vamos manter obras andando e, entre abril e maio, conforme a arrecadação, vamos analisar possíveis novas intervenções", ressaltou Coser.

As empresas que receberam os atrasados são, entre outras, prestadoras de serviços ao município e empreiteiras, confirmou o prefeito, sem dar prazo para "azular" as contas. Durante o debate, ao ser perguntado, Coser admitiu expectativa de quitar tudo até este mês. "A dívida está sendo paga e nossa expectativa é março. Foi superdimensionado. R$ 30 milhões são 3,5% do orçamento. A cidade está organizada e vamos pagar todo mundo, fechando o ano sem a dívida", frisou o prefeito no evento. No debate, o prefeito Sérgio Vidigal disse que o passivo oficial da Serra está sob controle, mas não estipulou prazos. Foram pagos R$ 13 milhões dos R$ 17 milhões.


Modelo político está em colapso, diz comentarista

Convidada do Ciclo de Debates ontem, a comentarista da Rádio CBN Lucia Hipólito fez duras críticas ao modelo político e eleitoral do país. "É preciso que fóruns como esse digam às excelências o que a sociedade quer, Pagamos altíssimos impostos e recebemos em troca serviços péssimos". Para a jornalista, o sistema político está em "colapso". "Cada partido escolhe o seu Tiririca e arrasta mensaleiro, gente com contas a prestar à Justiça para dentro do Congresso e das Assembléias". Propostas da reforma política, o financiamento público de campanha não elimina caixa dois e a lista fechada de candidatos não é avanço, avaliou. As regiões metropolitanas consolidam-se a partir de pequenos consensos dos gestores, como a mobilidade e o tratamento conjunto de resíduos frisaram.

"Perdi a idéia do Veículo Leve Sobre Trilhos sem ter o direito de debater. Porto de águas profundas, aeroporto, terminal de cargas e centro de eventos trarão desenvolvimento. Precisamos de projetos na Saúde" - João Coser (PT) - prefeito de Vitória

"O grande desafio é a qualidade de vida das pessoas na Grande Vitória, com investimentos sociais e em moradias. Não é só aumentar policiais, mas reduzir a desigualdade. A droga também é grande problema"  - Sergio Vidigal (PDT) - prefeito da Serra

"Não dá para o município suportar sozinho o custo com Educação e Saúde. É preciso políticas integradas de Segurança, com foco na prevenção, e pensar Região Metropolitana como fosse uma só cidade" - Helder Salomão (PT) - prefeito de Cariacica

"Vila Velha precisa de R$ 500 milhões para resolver os alagamentos. Não estamos contemplados na descentralização econômica. As pessoas moram em Vila Velha, mas trabalham e pagam impostos em Vitória"
- Neucimar Fraga (PR) - prefeito de Vila Velha

Duas empresas na licitação do túnel

Duas empresas vão concorrer no processo de licitação para elaboração do projeto do túnel subterrâneo que vai ligar Vitória e Vila Velha. Ontem, a comissão de licitação do Departamento de Estradas de Rodagem (DER-ES) realizou a abertura das propostas técnicas das 33 empresas que adquiriram o edital, mas apenas duas empresas compareceram.

A partir de agora, as propostas técnicas serão analisadas, mas não há prazo para que a análise seja concluída. A abertura do edital de concorrência chegou a sofrer atraso porque, no dia 16 de março, uma das empresas havia pedido esclarecimentos. O custo da realização do túnel é estimado em cerca de R$ 9,8 milhões. No início do mês, o governador Renato Casagrande (PSB) chegou a dizer que, após a conclusão do projeto, vai analisar a viabilidade da construção da obra e buscar recursos junto ao governo federal. Segundo o governador, o túnel só será viabilizado se o Estado conseguir captar recursos da União.

O edital da licitação foi lançado no apagar das luzes do governo Paulo Hartung (PMDB), em 22 de dezembro. Após a posse de Casagrande, o processo foi adiado por cerca de um mês. (Priscila Thompson)

RESPOSTAS DOS LEITORES ENVIADA PARA MEU E-MAIL: 


*      joao.nascimento.reis

*      Meu Irmão - uma obra dessa não ficara concluída em menos de 6 anos ( no Brasil), se fosse em ritmo acelerado e sim se fosse no Japão, eu garantia que em 18 meses estaria pronta. (sou advogado e possuidor do curso de engenharia de transito) - fui diretor do Detran se responsável pelo prédio do mesmo e da sec. de segurança (sei como as coisas aqui funcionam). Tenho lido revistas sobre transito de três países do primeiro mundo. (tenho assinatura) e sempre estou me atualizando porque gosto. Se seguir o cronograma de obras das normas corruptas adotadas pelos governos dessa nação, em 2020 talvez os convido para inauguração.

 

3 comentários:

  1. O aquaviário poderia ser uma opção em toda grande Vitória com terminais que estenderia de Cariacica até Jacaraipe servindo inclusive com passeio turístico.Colocando infraestrutura nos terminais e (música ou tv,lanchonete)e barcas modernas.

    ResponderExcluir
  2. E o metrô de superfície, que fim levou?

    ResponderExcluir
  3. Nessa altura do campeonato, quem entende de mobilidade urbana, já sabe que mais pistas, mais pontes vão trazer mais carros em Vitória e mais engarrafamentos, poluição, estresse, doenças respiratórias etc... É notório que não temos nenhuma alternativa ao carro e ônibus em Vitória, que os ônibus tem um padrão extremamente baixo, com motorista de ônibus dando acelerações em desconsideração do conforto dos passageiros. Apesar disso os ônibus da grande Vitória já estão super saturados. E cada dia está passando sem investimentos cicloviário enquanto Rio e São Paulo já começaram uma batalha contra os engarrafamentos, construindo ciclovias! E Vitória vai ficar para trás construído 1 km de ciclovia por ano e demorar 30 anos pqrq fechar o anel rodoviário?

    Emmanuel M. Favre-Nicolin
    Blog Vitória Sustentável
    http://vitoria-sustentavel.blogspot.com

    ResponderExcluir